Risoto líquido do Chef Alex Atala com as especiarias coco e hortelã

jun 28, 2012 1 Comentário by

Especiarias: coco, hortelã

O Chef Alex Atala dispensa apresentações. Grande conhecedor dos vários sabores que os ingredientes brasileiros tem a oferecer, se destaca dentre os demais cozinheiros do Brasil por sua criatividade. Criatividade esta que, aliás, lhe rendeu o título de 4º melhor Chef do mundo!  Tenham certeza de que esta premiação não veio à toa. Além de talentoso, é capaz de bolar pratos fantásticos. A receita que compartilharemos hoje com vocês é um tanto quanto inusitada: trata-se de um risoto líquido à base de coco! Eis a sua chance de fazer, em casa, o que um dos grandes gênios da cozinha contemporânea faz em seu premiado restaurante, o D.O.M.

Bom apetite e bom trabalho a todos!

Ingredientes

Para o risoto:

1 cebola pequena

50g de manteiga sem sal

250g de arroz arbóreo

190ml de vinho branco

375ml de caldo de legumes

250ml de leite de coco

Sal

Para o Azeite de hortelã:

60g de folhas de hortelã (mais ou menos meio maço)

150ml de oleo de canola

Para a finalização do prato:

100gr de folhas de nori cortadas em julienne (tiras bem fininhas)

100ml de molho shoyu

100ml de azeite de dendê

Preparo:

Corte a cebola em brunoise (quadradinhos). Em uma panela com fundo grosso, refogue a manteiga com a cebola e adicione o arroz mexendo sempre por mais ou menos 1 minuto. Acrescente o vinho branco e deixe a mistura no fogo até o vinho evaporar. Coloque o caldo de legumes, abaixe o fogo e cozinhe mexendo sempre o arroz com uma colher de pau ate ficar bem pastoso. Adicione o leite de coco, misture bem e deixe no fogo por mais 1 minuto. Retire da panela e bata em um liquidificador (ou com um mixer) até ficar um creme bem liso e aerado. Acerte o sal e coloque a mistura em um sifao. Reserve em banho-maria (numa temperatura aproximada de 60°C) ate o momento de servir.

Para o Azeite:

Coloque as folhas de hortelã em agua fervente e deixe por 7 segundos. Coe as folhas e rapidamente coloque-as em agua com gelo pra interromper o processo de cozimento (o ue vai dar uma cor mais viva ao azeite). Coe novamente e bem delicadamente aperte as folhas, retirando o excesso de água. Coloque as folhas e o oleo no liquidificador e bata por mais ou menos 1 minuto.

Numa panelinha, aqueça esse azeite por 10 minutos (no fogo baixo/medio pra nao ultrapassar 80º C). Retire do fogo. Esfrie rapidamente num baldinho com água gelada e coe no chinoise fino.

Para finalizar:

Em um prato fundinho coloque o shoyu, o oleo de dendê e o azeite de hortelã. Num canto do prato, coloque as tiras de nori. Finalize com o risoto líquido usando o sifão (ou o saquinho plastico).

Pegamos a receita do blog oqtemprahjdotcom, da Vanessa M. Deem uma passada por lá, é bem interessante!

COCO
Fruta preferida de qualquer náufrago, desde Robinson Crusoé a Tom Hanks – eles sabem que além de gostoso, pode salvar nossas vidas varias vezes – ,o coco tem uma história longa e fascinante. Praticamente símbolo nacional e tão consumido nos dias quentes nas paradisíacas praias brasileiras é originário de terras distantes.

Algumas teorias dizem que veio da África; outras que veio da Polinésia. Sua origem é difícil de determinar devido ao fato de o coco conseguir flutuar pelo oceano durante meses e ainda germinar quando chega à terra firme.

Foi por muito tempo a única fonte de proteína e água para muitas ilhas do Pacífico. Além disso, coqueiros têm sido utilizados ao longo do tempo como fontes de alimento, fibra, combustível, água e abrigo e hoje ele está presente em todos os trópicos, sendo cultivado em aproximadamente 11,6 milhões de hectares em 86 países. Aproximadamente 95% da produção mundial são provenientes de pequenos agricultores.

O coqueiro não existia no Brasil quando Pedro Álvares Cabral desembarcou sua nau por aqui em 1500. As primeiras referências aparecem no “Tratado Descritivo do Brasil”, escrito por Gabriel Soares de Souza em 1587. Nele está escrito: ‘”as palmeiras que dão os cocos se dão bem na Bahia, melhor que na Índia, porque metendo um coco debaixo da terra, a palmeira que dele nasce dá coco em cinco e seis anos, e na Índia não dão, estas plantas, frutos em vinte anos”.

No sul da Índia a maioria das casas tem um coqueiro. Quebrar um coco no início de qualquer evento é considerado um símbolo para atrair sorte. Também se acredita que a fruta representa Shiva, deus hindu, e que as três marcas encontradas na casca simbolizam seus olhos.

Como usar, plantar e armazenar a especiaria coco.

Receitas com coco.

Acompanhamento, Allgemein, Coco, Hortelã, Receitas, Receitas com coco, Receitas de Chef

Um Comentário para “Risoto líquido do Chef Alex Atala com as especiarias coco e hortelã”

  1. Chef Marcos Sodré- Curry Thai com massa folhada de especiarias says:

    […] para muitas ilhas do Pacífico. Além disso, coqueiros têm sido utilizados ao longo do tempo como fontes de alimento, fibra, combustível, água e abrigo e hoje ele está presente em todos os trópicos, […]

Deixe seu comentário