Médicos que Cozinham: Frango com ora-pro-nóbis

jan 03, 2014 Sem comentários by
O Armazém das Especiarias recebe a coluna do médico cardiologista Fernando Oikawa. Quinzenalmente, Fernando escreve sobre o que gosta de fazer nos momentos de folga: cozinhar. Paraense, o médico está em São Paulo fazendo o seu doutorado no setor de Coronarioparias e ateroesclerose. Frequenta com desenvoltura a cozinha e une o sabor de sua terra natal às descobertas do maior centro gastronômico do país. Se há uma frase que pode definir esta paixão de Fernando é a seguinte: ele cozinha com o coração. Neste post, ele fala sobre uma receita com uma especiaria interessante: Frango com ora-pro-nóbis.

 

Olá, queridos leitores do Armazém das Especiarias, em particular os que seguem o Médicos que Cozinham! Primeiramente queria desejar-lhes um excelente 2014, cheio de saúde e bondade em seus corações, e em seguida agradecer-lhes por nos acompanhar quinzenalmente demonstrando o carinho pelo post! Escrevemos com muita dedicação e por isso, a vocês só posso pedir para que nosso Deus ore por vocês!!! É pensando nesta frase e desejo, que inicio o post desta semana…Ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata)!!! É uma cactácea, um cacto trepadeira com folhas. Tem espinhos e pode ser usada em cercas-vivas, se desenvolvendo bem tanto à sombra como ao sol. O nome científico é uma homenagem ao cientista francês Nicolas-Claude Fabri de Peiresc, e o termo aculeata vem do latim e significa espinho, agulha.

Originária do continente americano, encontram-se variedades nativas dessa hortaliça perene, rústica e resistente à seca da Flórida, nos Estados Unidos, à região sudeste do Brasil.

Segundo tradições populares, o nome teria sido criado por pessoas que colhiam a planta no quintal de um padre, enquanto ele rezava em latim: Ora pro nobis ( “Orai por nós”).

Durante o sermão, na ladainha em que se pede aos santos para rogarem por nós, a frase em latim era repedida – ora pro nobis – servindo de deixa e de nome ideal para o alimento recém-descoberto. A ladainha de todos os santos estendia-se por longos minutos, e dessa grande oração tem-se o seguinte trecho:

Christe, exaudi nos.

Pater de caelis Deus, miserere nobis.

Fili Redemptor mundi Deus, miserere nobis.

Spiritus Sancte Deus, miserere nobis.

Sancta Trinitas, unus Deus, miserere nobis.

Sancta Maria, ora pro nobis.

Sancta Dei Genetrix, ora pro nobis.

Sancta Virgo virginum, ora pro nobis.

Sancte Michael, ora pro nobis.

Sancte Gabriel, ora pro nobis.

[…]

Jesus Cristo, atendei-nos.

Deus pai do céu, tende piedade de nós.

Deus filho, redentor do mundo, tende piedade de nós.

Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.

Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Santa Maria, rogai por nós.

Santa Mãe de Deus, rogai por nós.

Santa Virgem das virgens, rogai por nós.

São Miguel, rogai por nós.

São Gabriel, rogai por nós.

[…]

É conhecida também por carne dos pobres, beldroega-pequena (Portulaca oleracea), língua-de-vaca, trepadeira-limão, groselha-da-américa, lobodo, rosa-madeira, groselha-de-barbados, Lobrobô ou Lobrobró

Acredita-se que o cultivo em larga escala do ora-pro-nóbis poderia representar uma revolução nos recursos alimentícios da humanidade, devido a seu fácil cultivo, grande produção e alto valor nutricional (possuem cerca de 25% de proteína, 85% da qual em forma digestível, portanto, facilmente aproveitável pelo organismo humano). Quando picadas, essas folhas exsudam uma espécie de visgo.

Cultivo

A variedade tem flores brancas, quando é mais adequada para consumo, e suas folhas podem ser ingeridas refogadas ou mesmo cruas; as flores também são comestíveis. A variedade comestível tem miolo alaranjado e folhas pequenas e suculentas.

A ora-pro-nóbis é propagada por meio de estacas plantadas em solo fértil enriquecido de matéria orgânica e, depois de enraizadas, são transplantadas para o local definitivo.

Serve também para alimentação animal, in natura ou na ração, barateando os custos da produção.

A ora-pro-nóbis não pode ser confundido com a grandiflora ou a bleo que têm flores rosa (muito comuns no Brasil, e difíceis de serem diferenciadas sem a florada).

No Brasil

Encontrado em diversos estados do Brasil, em algumas localidades atingiu o status de ingrediente culinário, onde é refogado com vários tipos de carnes e é empregado em ensopados.

Considerada iguaria das mais interessantes, na cidade de Sabará, existe o Festival do Ora-pro-nóbis, onde é comum utilizar a cactácea para pratos culinários. Em Sabará também teria surgido a lenda que lhes contei anteriormente, sobre o nome ora-pro-nóbis (em que pessoas colhiam a planta no quintal da casa de um pároco, enquanto rezava uma ladainha).

Em Tiradentes, outra cidade brasileira de Minas Gerais, também há restaurantes que utilizam a ora-pro-nóbis, sendo muito apreciado o frango com ora-pro-nóbis.

Informações nutricionais

É um vegetal riquíssimo em ferro, ajudando no tratamento de anemias. Usa-se como orégano, em forma de folha seca e moída. Também usada no preparo da farinha múltipla, complemento nutricional no combate à fome. Suas folhas são ricas em mucilagem, que contribui para o bom funcionamento do intestino. As folhas secas e moídas são usadas em diferentes receitas, especialmente em sopas, omeletes, tortas e refogados. Muita gente prefere consumir as folhas cruas em saladas, acompanhando o prato principal. Outros as usam como mistura para enriquecer farinha, massas e pães em geral. É servido cotidianamente nas cidades históricas do estado de Minas Gerais, onde a planta é mais popular. É muito empregada na produção de mel, sendo rica em vitaminas A e do complexo B, mas é principalmente uma fonte de proteínas;o  teor proteico pode passar dos 25%, o que levou a planta a ser conhecida como “carne dos pobres”.

Valores nutricionais por 100 g de parte comestível

Calorias 26

Glicídios 5,0 g

Proteínas 2,0 g

Lipídios 0,4 g

Cálcio 79 mg

Fósforo 32 mg

Ferro 3,6 mg

Niacina B3 0,5 mg

 

Como podemos ver, é um vegetal excelente e de baixíssima caloria!!! Então, minha gente vamos nos “esbaldar” desta iguaria deliciosa degustando esta receita que lhes apresento agora, tipicamente mineira; é de se comer rezando, ou melhor “orando por nós”…

Frango com ora-pro-nóbis

Ingredientes
300 gramas de ora-pro-nóbis

1 e ½ quilo de frango caipira cortado em pedaços

Banha de porco (azeite de oliva/manteiga)

1 cebola picada

1 tomate picado

 

Modo de preparo

Primeiro tempere o frango a gosto (prefiro só sal e pimenta do reino moída na hora). No fogão (a lenha de preferência) com a gordura de porco bem quente, despeje o frango na panela. Deixe cozinhar por cerca de meia hora. Enquanto isso, pique o ora-pro-nóbis com as mãos, que é para preservar o aroma e o sabor.

 

Quando o frango já estiver dourado e macio, é hora de acrescentar o tomate, a cebola e, por fim, o ora-pro-nóbis. Este soltará uma “baba” que irá encorpar o caldo do prato. Depois de acrescentar os últimos ingredientes, deixe cozinhar por mais alguns minutos e está pronto.

Coluna Especial, Destaques, Médicos que Cozinham, Ora-Pro-Nóbis Tags: ,
Nenhum Comentário para “Médicos que Cozinham: Frango com ora-pro-nóbis”

Deixe seu comentário