Especiaria: Pinhão

abr 14, 2014 Sem comentários by

A nossa especiaria é genuinamente nacional. Filha de árvore brasileira, a araucária angustifolha,  nasce primordialmente no sul do Brasil. Ela está presente no dia a dia de estados como o Paraná,  bem  como é uma das mais importantes iguarias presentes em festas juninas que, em muitos estados no Norte e Nordeste,  avançam mês de julho adentro.

Impossível imaginar as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, sem a presença de uma fogueira, pipocas, o tradicional “quentão”, jogos de prendas, quermesses, brincadeiras de pescar o presente, vinho quente, músicas típicas e muita dança,  o casamento dos noivos com roupas acaipiradas, os chapéus de palha e do pinhão.

Quando o outono ou o inverno chegam, muita gente no Sul e no Sudeste se deleita com essa delícia, seja nas refeições, seja no lanche da tarde. Estudiosos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Embrapa, investigam a riqueza de nutrientes encontrada na semente da araucária  e seus benefícios à saúde

Na verdade, o fruto do pinheiro é a pinha, onde encontramos a semente.. A araucária apresenta suas flores com sexos separados em árvores diferentes e suas sementes são produzidas pela árvore do sexo feminino.
O pinhão foi a principal fonte de alimentação de algumas tribos indígenas do sul do Brasil. Muitos animais também se alimentam dela, sendo os responsáveis pela plantação dos pinheirais. A cotia, o esquilo (serelepe) e a gralha azul costumam carregar os pinhões a grandes distâncias e enterrá-los no solo. Passado algum tempo as sementes acabam “esquecidas” e geram novas árvores. A relação da gralha azul com o plantio das araucárias fez dela a ave símbolo do Paraná.

O pinhão contém cobre, zinco, manganês, ferro, magnésio, cálcio e fósforo, nutrientes essenciais para manter o corpo funcionando e sabendo como se defender de doenças. É o potássio, porém, o mineral que predomina na semente, o que a transforma em uma aliada contra a pressão alta e doenças cardiovasculares.

Apesar de calórico – são 160 calorias em uma porção de 100 gramas -, esse legítimo sulista é cheio de carboidratos complexos, sobretudo o amido resistente, que passa praticamente batido pelo processo de digestão. “Isso garante a sensação de saciedade por mais tempo, explica a nutricionista Geisa Liandra de Andrade, também da Embrapa Florestas. Com atuação semelhante à das fibras no intestino grosso, esses carboidratos estimulam o equilíbrio da flora intestinal, garantindo uma maior proteção contra doenças inflamatórias e tumores.

Quem precisa de uma energia extra também tem no pinhão um parceiro incondicional. “Isso porque a semente fornece uma boa quantidade de carboidratos com baixo índice glicêmico”, diz a engenheira agrônoma Rossana Bueno de Godoy, da Embrapa. O petisco se revela ótima fonte de combustível, mas não dispara rápido os níveis de açúcar no sangue – uma tremenda vantagem para quem está acima do peso ou tem diabete, já que diminui o risco de picos de glicose e insulina.

Pesquisadores da Instituto de Câncer de Xangai descobriram que alimentos ricos em vitamina E como amêndoas, amendoim, pinhão, damasco seco ou até mesmo suplementos alimentares ricos no micronutriente podem diminuir as chances de desenvolver câncer de fígado em pessoas de meia idade ou mais velhos. Ainda, estudos anteriores já provaram que estes alimentos podem afastar danos oculares e doenças cardíacas. As informações são do site do jornal inglês Daily Mail.

Na cozinha 

O pinhão é um alimento neutro, que fixa o sabor de outros ingredientes mais intensos. Vai bem cozido em fogo lento ou assado na chapa do fogão a lenha. Em bolos e tortas, pode ser triturado para propiciar uma massa mais homogênea. Já em risotos, carnes, sopas e saladas, o conselho é servi-lo em lâminas ou em fatias.

Entre as receitas típicas, estão o entrevero, um cozido de carnes, verduras e pinhão, e a paçoca salgada, em que a semente é moída e misturada a carne-seca. Há também a possibilidade de bolar pratos mais tradicionais com um toque, digamos, sulista: basta acrescentar o pinhão ao yakissoba, à quiche de alho-poró ou a sobremesas como o cheesecake com calda de morango.

Valores nutricionais

Por 100 g de pinhão cru
Calorias 217,5
Glicídios 46,40 g
Proteínas 3,96 g
Lipídios 1,79 g
Cálcio 36 mg
Fósforo 150 mg
Ferro 1,10 mg

Por 100 g de pinhão cozido 
Calorias 195,5
Glicídios 41,92 g
Proteínas 3,94 g
Lipídios 1,34 g
Cálcio 35 mg
Fósforo 136 mg
Ferro 0,70 mg
Fonte: Tabela de Composição dos Alimentos – Gilberto Franco

 

Destaques, Especiarias, Pinhão Tags: ,
Nenhum Comentário para “Especiaria: Pinhão”

Deixe seu comentário