Médicos que cozinham: Sorvete de Banana com canela

set 12, 2014 Sem comentários by

 

Olá, queridos amigos e leitores do armazém das especiarias! Como estão nestes dias de calor e “mormaço” na capital paulista?? Espero que no resto do país esteja um tempo mais agradável, pois aqui, esta semana lembrou-me bastante minha cidade lá no Norte…fervendo!! E é justamente por esta altíssima temperatura que hoje quero falar de uma especiaria muito comum em nossa gastronomia a qual gosto muito (porém não é uma unanimidade) a canela…e no final deixo uma receita incrível de sorvete vegano super refrescante e saudável!!! Vamos lá…

 

Origem

caneleira (Cinnamomum zeylanicum, sinônimo C. verum) é uma pequena árvore com aproximadamente 10–15 m de altura, pertencendo à família Lauraceae. É nativa do Sri Lanka, no sul da Ásia. As folhas possuem um formato oval-longo com 7–18 cm de comprimento. As flores, que florescem em pequenos maços, são esverdeadas e possuem um odor distinto.O fruto, de aproximadamente 12,5 cm é uma baga larga, elipsoidal, escuro ou preto-azulado, com uma única semente dentro.

canela é a especiaria obtida da parte interna da casca do tronco. É muito utilizada na culinária como condimento e aromatizante e na preparação de certos tipos de chocolate e licores. Na medicina, empregada como os óleos destilados, é conhecida por ‘curar’ resfriados. O sabor e aroma intensos vêm do aldeído cinâmico ou cinamaldeído.

A casca é retirada do tronco na época das chuvas, quando a seiva é mais abundante, e depois é seca e enrolada manualmente em formato de canudo – aquilo que é conhecido como canela em rama ou em pau. Os resíduos e as cascas quebradas se transformam em canela em pó.

 

História

A canela é conhecida desde a antiguidade e foi tão valorizada que era considerada um item a ser presenteado a monarcas e outros dignitários.

É mencionada em Êxodo 30:23, quando Deus ordenou a Moisés o uso da canela doce/salgada (em hebraico: קִנָּמוֹן qinnāmôn) e cássia, e em Provébios 7:17-18, quando o leito nupcial é perfumado com mirraaloe vera e canela. Também se encontra mencionada por Heródoto e outros escritores clássicos.

No início do século XVI era trazida por comerciantes portugueses diretamente do Ceilão (atual Sri Lanka, no sul da Ásia), chegando um quilograma a valer dez gramas de ouro. O comércio português no Oriente foi perdido progressivamente para a Companhia das Índias Orientaisholandesa, que se assenhoreou dos entrepostos portugueses na região a partir de 1638As margens da ilha estão repletas dessa planta, relatou um capitão holandês, e é a melhor de todo o oriente: quando uma pessoa está no litoral, pode-se sentir o aroma a oito léguas de distância.

 

  • Cuiriosidade

A canela figurava entre os presentes dados à realeza por seu enorme valor. Considerada símbolo da sabedoria, foi usada por gregos, romanos e hebreus na aromatização de vinhos. Uma lenda diz que Nero, imperador de Roma, teria mostrado sua dor no funeral de sua mulher queimando o estoque anual de canela.

 

Na medicina

Estudos da Associação de Medicamentos dos Estados Unidos (USDA) indicam que o uso de canela na quantidade de uma colher de chá diariamente reduz significantemente o açúcar no sangue e melhora a taxa de colesterol (LDL e triglicerídeos)1 2 . Os efeitos, que podem ser conseguidos ao utilizar canela em chás, beneficiam também diabéticos. Não se sabe ao certo se o consumo de canela é efetiva no combate à hipertensão arterial. Há três estudos em andamento monitorando a questão do efeito na pressão sanguínea.

No livro de 1256 “Regime du Corps” o autor Aldebrandin de Siena já afirmava que a canela tem o mérito de “reforçar a virtude do fígado e do estômago” e de “fazer com que a carne tenha um bom cozimento”. Seu uso era tão abrangente que, no século XVII, esta especiaria era utilizada até em massas italianas.

 

No Brasil

Há dois tipos de canela, ambos cultivados no :

  • Canela-verdadeira: é a espécie descrita nesta página, mais adocicada e suave
  • Canela-de-cássia (Cinnamomum cassia (L.) J.Presl), ou canela-da-china, possui sabor mais picante.

 

  • Comparação com a cássia

Sendo uma especiaria muito mais cara do que a cássia, nativa da China e de Mianmar, normalmente a substitui. A casca do tronco de ambas as especiarias é facilmente distinguível, e suas características microscópicas também. Quando moídas e tratadas com tintura de iodo (teste para verificar o amido), um pequeno efeito pode ser visto na canela pura de boa qualidade enquanto que a cássia apresenta uma coloração azul escura.

 

Na gastronomia

A canela é um ingrediente típico em diversos preparados culinários como chocolate quente, arroz marroquino, quentão nas festas juninas, tortas de frutas, compotas, pães doces, bolos, bebidas quentes, arroz-doce, curau, ambrosia e muitos outros doces tradicionais. A torta marroquina é um bom exemplo de sua versatilidade – preparada originalmente com pombo, substituído por perdiz no Brasil, é uma receita salgada e salpicada com açúcar e canela.

A canela é um componente do “garam masala” (foto), uma mistura de ervas tida como o coração da maioria dos pratos indianos.

Entra também em outra mistura famosa muito utilizada na culinária árabe denominada “baharat”,  (“baharat” significa pimenta em árabe).

Eu particularmente adoro canela, principalmente em doces envolvendo chocolate e alguns tipos de fruta; desta forma, para amenizar o calor atual, deixo aqui uma receita de sorvete de banana com canela para surpreender qualquer um… grande abraço à todos!!

 

 

Sorvete de Banana com Canela

 

Ingredientes:

5 bananas (de sua preferência)

2 colheres de mel.

Pau de canela ralado a gosto

 

Preparo

Corte as bananas em rodelas e deixe no freezer até congelar. Quando congeladas, bata em um processador, de boa potência, juntamente com o mel e a canela até adquirir a consistência cremosa de sorvete. Sirva em pequenos potes e polvilhando mais um pouco de canela por cima….Façam, é espetacular!!!

Allgemein, Médicos que Cozinham Tags: , , , , , , , , , , , ,
Nenhum Comentário para “Médicos que cozinham: Sorvete de Banana com canela”

Deixe seu comentário