Médicos que Cozinham: Círio de Nazaré

out 10, 2014 Sem comentários by

Olá, meu povo!!! Como um bom “papa-chibé” paraense que sou, às vésperas do nosso lindo Círio de Nazaré, esta semana não poderia falar de outra coisa a não ser deste momento ímpar de devoção, fé e amor que acontece nas ruas da minha querida e saudosa capital, Belém do Pará. Ao final, deixarei receitas de uma refeição familiar completa e típica, que provavelmente irá compor as mesas de todas as casas paraenses. Aproveitem…

Um pouco de história…

O Círio de Nazaré, em devoção a Nossa Senhora de Nazaré, é a maior manifestação religiosa Católica do Brasil e um dos maiores eventos religiosos do mundo, reunindo cerca de dois milhões de pessoas em todos os cultos e procissões. Em Portugal é celebrada no dia 8 de Setembro na vila da Nazaré, e desde 1793, na cidade de Belém do Pará, anualmente, no segundo domingo de outubro.

Outras regiões, devido a migração de paraenses, acabaram criando a procissões para estarem mais próximos de Belém, mesmo que pelo ato de Fé. O Termo “Círio” tem origem na palavra latina “Cereus”, que significa vela grande. No Brasil, no início era uma romaria vespertina, e até mesmo noturna, daí o uso de velas. No ano de 1854, para evitar a repetição da chuva torrencial como a que havia caído no ano anterior, a procissão passou a ser realizada pela manhã. O Círio foi instituído em 1793 em Belém do Pará, e até 1882, saía do Palácio do Governo. Em 1882, o bispo Dom Macedo Costa, em acordo com o Presidente da Província, Dr. Justino Carneiro, instituiu que a partida do Círio seria da Catedral da Sé, em Belém.

Alguns estudiosos estão considerando o Círio de Nazaré em Belém do Pará como sendo a maior manifestação religiosa do planeta. Consegue congregar dois milhões de pessoas em uma só manhã.

Em dezembro de 2013, o Círio de Nazaré foi declarado, pela UNESCO, Patrimônio Cultural da Humanidade.

 

 

A magia que não acaba…

  • Traslado

Assim chamada, porque marca o percurso da imagem de Nossa Senhora de Nazaré, da Basílica de Nazaré, pelas ruas da cidade, até a igreja matriz, no município de Ananindeua, município vizinho a Belém. A imagem da Santa, passa a noite neste município, onde o povo fica durante toda à noite em vigília. Essa Romaria acontece de sexta para sábado, que antecede o domingo do círio, saindo às 9:00 da Basílica de Nazaré, e segue pela Avenida Nazaré, Almirante Barroso, BR-316, Ananindeua, Marituba e volta para Ananindeua até a Igreja Matriz.

 

  • Romaria Rodoviária

Depois de uma noite em Ananindeua, e uma missa pela manhã, a imagem parte, de madrugada, em mais uma procissão, agora em uma nova direção, a Vila de Icoaraci, distrito de Belém. Mesmo sendo de madrugada, os fiéis aguardam a passagem da Santa, rendendo-lhe inúmeras homenagens. A procissão é acompanhada pelos carros da diretoria do círio, carros de polícia, bombeiros, ambulâncias, carros oficiais e civis. Daí a origem do nome da romaria.

  • Romaria Fluvial

Nesta romaria, a imagem da Santa é levada de barco, pela Baia do Guajará que cerca a cidade de Belém, e é seguida por inúmeros outros. Aqui se vêem barcos, iates e simples canoas de ribeirinhos que seguem a procissão. O percurso Icoaraci-Belém pode levar até 5 horas. Ao chegar no cais do porto da cidade, é recebida por uma multidão e outras homenagens se seguem. A romaria foi introduzida em 1985, como uma forma de homenagear a todos os que vivem e dependem dos rios da região, como a população ribeirinha, que, devido às suas condições, não pode se dirigir a Belém, e com isso, pode fazer suas homenagens.

  • Moto-Romaria

Por volta das 11 horas da manhã de sábado, a imagem da Santa chega ao cais de Belém. Dali a imagem segue em carro aberto, agora seguida por motoqueiros que buzinam incessantemente, anunciando a passagem da Santa. O povo pára nas ruas seus afazeres, sai de suas casas, e saúda a Virgem, com as mãos levantadas, como a pedir a bênção. A Romaria se estende pelas ruas da cidade até o Colégio Gentil Bittencourt, onde uma outra multidão de fiéis espera a Imagem. E à noite, logo após a missa, ocorrerá o início da Trasladação.

  • Trasladação

A trasladação da imagem ocorre uma noite antes do Círio, em uma procissão à luz de velas. Simbolicamente visa recordar a lenda do descobrimento da imagem e o retorno ao local de seu primeiro achado. Nesta cerimonia somente a Berlinda (carro onde é levada a imagem de Nossa Senhora) é utilizada, num trajeto em sentido inverso ao do Círio

  • Procissão do Círio

Que atualmente reúne centenas de milhares de fiéis (mais de 2 milhões e 300 mil), em um cortejo que, em épocas recentes, chegou a durar cerca de nove horas, e que hoje, devido a uma melhor organização e planejamento por parte da diretoria da festa, demora bem menos, percorrendo uma distância de cerca de cinco quilômetros entre a Catedral Metropolitana e a Basílica de Nazaré. Esta celebração é dividida em três momentos: o Círio propriamente dito – o evento é iniciado às seis horas da manhã com a celebração de uma missa, após a qual os fiéis se postam nas ruas ao longo do trajeto. Às sete horas, o Arcebispo conduz a imagem de Nossa Senhora até a Berlinda, para dar início ao Círio. Antigamente e até o início dos anos 2000, chegava no destino por volta das duas horas da tarde. Hoje, isso acontece antes mesmo do meio-dia. A imagem chega à Basílica de Nazaré, sendo retirada da Berlinda para a celebração litúrgica.

 

A comida…

A floresta amazônica também originou uma das mais típicas e surpreendentes cozinhas do Brasil. Da natureza rica em ervas, frutos, sabores e cheiros nasceu a gastronomia paraense. É considerada a mais autêntica e exótica do país e responsável por colocar o Pará em destaque no roteiro turístico gastronômico nacional e internacional, servindo de inspiração para chefs famosos da gastronomia nacional, como Alex Atala e Ferran Adriá, o qual adquiriu um pé de jambú para plantar em sua residência na Espanha.
A festa do Círio de Nazaré, considerada o Natal dos paraenses, tem como um dos grandes momentos o almoço do domingo de Círio. Em todos os lares, o almoço do Círio confraterniza as famílias, hóspedes e amigos. É quando a rica culinária paraense pode ser melhor apreciada. Além dos pratos típicos, como o pato no tucupi e a exótica maniçoba, os frutos do mar, da floresta, dos rios e das imensas fazendas paraenses compõem os cardápios: enormes peixes, como o pirarucu, a pescada amarela, o tambaqui, o tucunaré e o filhote, assados inteiros ou em moquecas. Fica muito difícil especificar um prato ou alimento típico nesta ocasião. Por isso deixo aqui o link de posts passados, nos quais já contei um pouco da história de cada alimento e forneci a receita. Eis aqui uma refeição tipicamente paranese e completíssima…Aproveitem, deliciem-se e que Nossa Senhora de Nazaré abençoe à todos nós com seu divino manto.

 

Almoço do Círio de Nazaré

 

Entrada: Tacacá

http://armazemdasespeciarias.com.br/2013/09/13/medicos-que-cozinham-tacaca/

 

Prato principal: Pato no Tucupí e a Maniçoba

http://armazemdasespeciarias.com.br/2013/09/27/medicos-que-cozinham-tucupi/

http://armazemdasespeciarias.com.br/2014/03/14/medicos-que-cozinham-manicoba/

 

Sobremesa: Açaí

http://armazemdasespeciarias.com.br/2013/08/30/medicos-que-cozinham/

 

Aproveitem, sem exageros!!! Saudades desse meu Pará pai d’égua….

 

 

 

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%ADrio_de_Nossa_Senhora_de_Nazar%C3%A9

http://parahistorico.blogspot.com.br/2009/02/cirio-de-nazare-comidas-tipicas-e.html

http://www.ciriodenazare.com.br/portal/

Destaques, Médicos que Cozinham, Norte, Pará, Receitas Tags: , , , , , ,
Nenhum Comentário para “Médicos que Cozinham: Círio de Nazaré”

Deixe seu comentário