A vida pode ter muito mais sabor. O homem parece reconhecer isso tanto que há séculos desbravou os mares em busca de especiarias. Se todas as histórias e todas as especiarias coubessem em um único lugar teríamos o mais delicioso armazém do mundo. Foi por isso que criamos o Armazém de Especiarias, um blog que fala desses ingredientes transformadores. Daqueles que transformam um prato comum em requintado, especiarias que tornam simples molhos em algo inesquecível. Criamos esse armazém virtual para contar histórias e desvendar sabores.

Para dar vida e gosto aos diversos textos que do nosso Armazém das Especiarias, contamos com a ajuda de alguns colaboradores:

 

José Edward Janczukowicz

José Edward Janczukowicz: Filho de poloneses, ele nasceu em Osasco/SP. Seus pais, Josef e Maria, eram camponeses, chegaram ao Brasil na época da segunda guerra mundial. A primeira culinária que provou foi a deles. Eduardo é apaixonado borch e o pirogue. Borch é aquele prato popularmente conhecido como sopa de beterraba, já o pirogue é parecido com um pastel, mas é feito de batata e leva vários recheios, inclusive a própria batata em forma de purê. https://edujancz.wordpress.com/

 

1558569_10206347997448819_1031447484796435203_n

Raquel Consorte: Paulistana, tem 25 anos, é formada em jornalismo. Entre os pratos que mais gosta, os que chamam a sua atenção são aqueles que levam pimenta nas receitas. Não sabe cozinhar, mas tem paixão pelas comidas tipicamente brasileiras. O Armazém das Especiarias apareceu como um prato cheio em seu dia a dia.

 

 

Niusa VinciNiusa Vinci: Meu nome é Niusa, mas todos me conhecem por Coruja. Tenho 57 anos, sou paulistana e apaixonada pela minha cidade. Ao contrário da maioria das pessoas que gosta de cozinhar, não comecei na infância minhas aventuras culinárias. No dia em que cheguei de lua de mel, com meu marido, na minha nova casa, achei que ia abafar fazendo um almoço bem gostoso pra ele. Coitado dele, o arroz ficou uma papa horrorosa. O feijão queimou todinho. Sentei no chão e comecei a chorar. Fui salva pela comida da minha mãe, que por sinal é uma delícia. Foi nesse dia que tomei uma resolução: vou aprender tudo o que puder e da melhor forma possível. Aí fui tomando gosto pela coisa e quando me dei conta já estava apaixonada pela culinária. Gosto de cozinhar de tudo, mas o que mais gosto é de fazer doces. Tenho um blog de culinária, porque foi a forma que encontrei para compartilhar minhas receitas e, dessa forma ajudar quem gosta de cozinhar e incentivar aqueles que ainda estão descobrindo um novo prazer nisso. http://receitasdacoruja.com.br

 

Fernando Oikawa

Dr. Fernando Oikawa: Filho da mistura de imigrante japonês com paraense nativa, nasceu em Belém do Pará; menino que cresceu brincando debaixo do sol e chuva rotineiros das tardes paraense, tem a cozinha como uma de suas paixões desde muito novo, tradição esta trazida dos almoços de domingo em família onde muita comida regional sempre estava no cardápio; mais tarde formou-se médico e veio para a capital paulista especializar-se em cardiologia pelo Instituto do Coração, entrando “de cabeça” no mundo dos alimentos em geral a fim de informar e ajudar aos pacientes a verdadeira potência dos ingredientes na saúde; sempre um apaixonado por gastronomia, conseguiu unir as duas paixões no seu dia a dia, sem nunca esquecer de suas raízes e principalmente o cheiro e o sabor de sua terra natal.