Médicos que Cozinham: Tacacá

set 13, 2013 7 Comentários by

No segundo post de nossa nova coluna, Médicos que Cozinham, o “Dr. e Chef” Fernando Oikawa fala um pouco sobre um dos pratos mais tradicionais da região Norte, o Tacacá!
__________________________________________________________________________________ 

Fernando OikawaEstava eu, no meu dia-a-dia hospitalar, neste clima flutuante de São Paulo  das últimas semanas, e me veio à cabeça o que eu estaria fazendo nesta época em minha região…certamente estaria na praia, já que a região Norte encontra-se em pleno “verão”!! Praias típicas como Salinas, Mosqueiro e Algodoal, nesta época, enfrentam o mormaço infernal dos trópicos, abarrotadas de pessoas nativas e turistas; porém, apesar deste calor, os nortistas continuam a apreciar as iguarias amazônicas, mesmo tendo sabores fortes e picantes; foi neste contexto que lembrei de um prato muito típico (talvez o mais típico e tradicional da região Norte), o qual sempre saboreei em plena tarde quente de Belém, o Tacacá!!! Muito nutritivo, afrodisíaco, exótico, de baixa caloria e delicioso o Tacacá é uma verdadeira viagem nos sentidos, sendo encontrado principalmente nos estados do Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Amapá.

Sua origem é dos indígenas paraenses e, segundo Câmara Cascudo, deriva de um tipo de sopa indígena denominada mani poi. Câmara Cascudo diz que “Esse mani poí fez nascer os atuais tacacá, com caldo de peixe ou carne, alho, pimenta, sal, às vezes camarões secos”.

Historicamente, seu primeiro registro ocorreu no século 18,em plena Inquisiçãoonde existe um documento que descreve o assassinato de uma mulher pela índia que trabalhava para ela: “…a morte foi consumada por um tacacá envenenado”, narra o historiador Aldrin Figueiredo.

Esta delícia é preparada com um caldo fino e bem temperado chamado tucupi (sumo este extraído da mandioca formando um líquido amarelo e encorpado),a goma de tapioca (resultado da lavagem da mandioca ralada, tem um aspecto diferente, como uma geléia levemente branca), camarões seco e jambu (erva típica da região Norte, ela dá a famosa sensação de tremor nos lábios e adormecimento na língua). Para montarmos o prato ou a cuia (utensílio indigena onde é servido), colocamos  primeiramente um pouco do tucupi e o caldo da pimenta-de-cheiro(cumari); acrescentamos a goma e os ramos do jambu de modo bem distribuído, terminando por colocar os camarões e um pouco mais do tucupi até quase completar a cuia. Utiliza-se um palitinho de madeira para comer o camarão e o jambu. É servido bem quente a qualquer hora do dia ou da noite, independente da temperatura e do clima, pois, para nós nortistas, esteja quente ou frio, o tacacá é sempre consumido escaldante.

tacacáCom relação a preocupação com a saúde, os apreciadores desta iguaria e aqueles que pretendem enveredar por ela podem ficar tranquilos; uma pesquisa promovida por alunos do curso de Nutrição da Universidade Federal do Pará, publicada em 2006, mostrou que o Tacacá tem em média 123,09 Kcal para o seu volume, que é em média de 544 ml. Dos componentes do tacacá, o mais calórico é a goma com, 39,75 Kcal em média, seguida pelo camarão com 39,37 Kcal e pelo tucupi com 29,14 Kcal. O menos calórico é o jambu, com apenas 14,83 Kcal. É composto de 17,1g de carboidratos, 10,19g de proteínas e 1,9g de lipídeos. Esses valores garantem o Tacacá como um alimento extremamente saudável e que pode ser consumido por qualquer pessoa, com alguma certa atenção para os diabéticos e/ou hipertensos. Além disso, não é problema para quem não quer engordar ou está de dieta. Ufa!! Alívio…

Podemos achar esta maravilha fora da Amazônia?! Sim, com alguma dificuldade conseguimos encontrá-la, como por exemplo aquiem São Paulonos restaurantes Amazônia (cardápio fixo) e Tordesilhas, onde mensalmente, em um dia previamente divulgado, serve-se o Tacacá em sua calçada; mas, pra mim em particular, o “pai d’égua” mesmo é sentar no banco de uma das milhares de “tacacazeiras” em Belém, por volta de umas 17h e apreciar esta iguaria como se não houvesse amanhã.

 

Coluna Especial, Médicos que Cozinham, Tacaca Tags: , ,

7 Comentários para “Médicos que Cozinham: Tacacá”

  1. silvia says:

    DR.Fernando ,adorei seu comentário sobre o tacaca, isto p. ñ. dizer suas afirmações…. adoro esta iguaria,eu e tda minha familia. moramos 21, anos no norte e esta delícia fazia parte de nosso cardápio….e viva o norte, viva o ‘tacaca’ rs. abraço. fique na paz!

  2. TEIICHI OIKAWA says:

    PARABÉNS PELO ARTIGO, MUITO BOM

  3. TEIICHI OIKAWA says:

    O tacacá, pato no tucupi e maniçoba são as iguarias mais procuradas no Pará e principalmente na capital, Belém do Pará

  4. karina antonucci says:

    Bom dia, em São Paulo tem todas cores, aromas e sabores da Gastronomia Paraens e há outros endereços como o Açaí da Diana e Sabores da Amazonia, onde toda sexta feira tem Roda Carimbó & Tacacá e Tambaqui e Açaí Papa c Farinha de Tapioca & D´água c Isca de Pirarucu….

  5. José Ricardo says:

    è verdade que o tacaca possibilita as pessoas a ficarem boas de uma ressaca?

  6. Fernando Oikawa says:

    Obrigado, pessoal!! Estamos cada vê mais tentando estudar e melhorar para dar as melhores sugestões, orientações médicas e informações sobre essa delicia que é a gastronomia regional…abraços.

  7. Paulinha says:

    Tomando aqui um caldinho de tucupi com arroz ai vim pra net saber o valor calórico, e nisso achei seu artigo. Realmente nao tem nada melhor que se deliciar com uma cuia de tacacá no final da tarde, e eu sou Acreana então sou fã de carteirinha de tudo que a mandioca nos oferece.
    Abraços
    Paula Silveira

Deixe seu comentário